Massa de torta com fermento natural: três possibilidades

Este post está super especial, pois além de ter três receitas, todas foram feitas utilizando fermento natural. Sim, sim. Você pode usar o fermento natural que vai no pão para fazer outras receitas. Andei testando algumas já… e essa de massa de torta rendeu um montão de ideias.

Geralmente, quando cultivamos uma cultura de bactérias para fazer pão (aka fermento natural, levain, massa madre), acabamos nos deparando com mais quantidade do que necessário e não tem muito jeito… acaba indo pro lixo. Uma pena, mas isso agora não é mais um problema! Dá pra usar em outras receitas durante a semana.

O The Perfect Loaf, blog de fermentação super bonito e bem feito, postou uma receita com essa massa de torta (e uma galette de frutas) e decidi me arriscar. Eu fiz massa pouquíssimas vezes e não sabia se ia dar certo… mas deu tão certo que arrisquei mais duas ideias: uma quiche salgada e uma torta de banana com doce de leite, mais conhecida como Banoffee Pie. E ficou tudo uma delícia! E tudo isso com apenas uma receita de massa, que você confere abaixo.

Massa de torta com fermento natural

img_2788

Fiz algumas alterações na receita original e deu tudo certo. O seu fermento deve estar alimentado com 100% de hidratação, ou seja, a mesma quantidade de farinha e água. Você pode usar o fermento alimentado ou não, a escolha é sua. O meu foi alimentado antes, pois aproveitei pra fazer pão depois. A massa da torta não irá fermentar como a do pão, por isso os benefícios da fermentação natural não são utilizados aqui, pois não há pré-digestão da farinha, eu imagino. Porém, o sabor fica mais intenso e gostoso.

  • 2 1/2 (295g) xícaras de farinha de trigo
  • 200g de manteiga sem sal
  • 1 colher de sopa de açúcar (opcional)
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 xícara de fermento natural
  • um pouco de água para dar o ponto

Misture a farinha, açúcar e sal com as mãos em uma tigela. Corte a manteiga em cubinhos e com a ajuda de uma espátula misture a manteiga na farinha. Depois, comece a “quebrá-los” com a ponta da espátula ou com um garfo. A intenção é fazer uma “farofa”, mas não incorporar a manteiga totalmente na farinha. Deixe a manteiga em tamanhos desiguais, com o tamanho máximo de uma moeda de 10 centavos e outras menores que isso. Adicione o fermento e misture com mãos até conseguir formar uma bola. Se necessário utilize água (bem pouquinho de cada vez). A massa não vai desgrudar das mãos e não trabalhe demais a massa. Os pedacinhos de manteiga vão garantir a crocância 😉 Forme uma bola, embale em papel filme e deixe na geladeira de 2 a 24 horas antes de usar. (não precisa fermentar, é só deixar a massa BEM gelada antes de usar).

Galette de frutas

Escolha frutas maduras de sua preferência para essa receita!

img_2806

  • 1 caixinha de morangos frescos
  • 2 pêssegos
  • metade da receita de massa de torta

Corte os morangos em quatro partes e os pêssegos em fatias. Se você gostar de muito de doces, pode adicionar um pouco de açúcar às frutas, mas eu resolvi deixar sem. Misture numa tigela e reserve. Abra a massa em um disco, sem deixar muito fina. Coloque as frutas no meio e vá dobrando as sobras da massa por cima das frutas. Para deixar a massa mais bonita, pincele um ovo batido por cima da massa (como eu não tinha ovos, a minha ficou um pouco pálida). Asse em forno pré-aquecido a 200C por 50 minutos. Sirva ainda quente com chantilly ou sorvete. NHAM!

img_2808img_2807

Banoffee pie ou torta de banana com doce de leite

Como sobrou metade da massa da galette, resolvi testar uma receita que queria fazer há muito tempo! A Banoffee Pie nada mais é do que puro doce de leite, mas achei que ficaria muito enjoativo. Fui atrás de outra receita e achei essa da Danielle Noce (que sou super fã!) com um creme de confeiteiro de doce de leite… e ficou doce na medida certa e super cremoso! Ai, só de lembrar quero mais!

  • massa de torta (usei forminhas de 13 cm)
  • 1 banana fatiada
  • 100 ml de creme de leite fresco (para o chantilly)
  • 225 g de doce de leite
  • 250 ml de leite
  • 3 gemas
  • 20 g de amido de milho

Abra a massa com um rolo um pouco maior do que o diâmetro da forma. Prefira mais fina do que a galette, assim ficará mais crocante e bonita. Faça furinhos com um garfo e coloque grãos por cima da massa para que ela não deforme no forno. Pode usar feijão ou grão de bico. Asse em forno pré-aquecido a 200C até que fique bem douradinha (ou 30 minutos). Na metade do tempo, retire os grãos e guarde em um pote para usar da próxima vez (para retirá-los mais facilmente, coloque papel manteiga untado entre a massa e os grãos)

Em uma panela, aqueça o leite e o doce de leite. Quando ferver, adicione as gemas batidas com o amido de milho e mexa até engrossar. Retire do fogo e reserve na geladeira com um filme plástico em contato com o creme para não criar película. Se estiver com pressa, coloque em um assadeira grande.

Recheie as tortinha com o creme, enfeite com as rodelas de banana e coloque um pouco de chantilly no topo. NHAM! Rende três tortinhas de 13 cm de diâmetro.

Quiche de queijo e cebolas

Com a mesma receita, a massa ainda rendeu uma quiche! Eu nunca tinha feito quiche e ficou tão maravilhoso ❤ Tô muito orgulhosa! Pode variar no recheio, mas esse de cebolas e queijo fica incrível!

img_2811

  • 2 ovos
  • 100 ml de creme de leite fresco
  • 3 cebolas pequenas em fatias
  • 200g de queijo parmesão ralado na hora

Siga os mesmos passos para assar a massa da torta de banana descritos acima, porém retire a massa do forno antes de dourar. Usei uma forma de 18 cm de diâmetro.

Refogue as cebolas em uma frigideira com um pouco de sal e azeite até ficarem bem douradas. Em uma tigela, quebre os ovos, adicione a cebola, o queijo e o creme de leite e misture bem.

Despeje a mistura na massa de torta pré-assada e asse em forno pré-aquecido a 200C por 25 minutos. Aproveite!

 

 

Anúncios

Brócolis com molho de tahine

 

Há algumas semana testei o Instagram Stories enquanto estava fazendo o almoço e mostrei como fazer um brócolis delicioso com molho de tahine. Pensei que além do vídeo, a receita vale ficar postada aqui, pois além de ser uma delícia, é uma ideia pra variar o brócolis no alho ou no vapor.

O brócolis é da mesma família da couve, couve-flor, couve-de-bruxelas e repolho. No Brasil, é mais comum encontrarmos o brócolis ninja, japonês ou americano, que tem tem flores menorzinhas e o talo é mais agradável de comer. Apesar desse ser bem gostoso, eu prefiro o brócolis comum, pois tem o gosto mais forte, mais parecido com as folhas verde escura e ramos maiores e mais saborosos. Talvez você encontre talos um pouco fibrosos, então, na hora de servir pode-se retirá-los e reutilizar em caldos, bolinhos ou fazer uma salada que a Neide Rigo ensinou na sua conta do Instagram que eu achei maravilhosa. É só raspar com um descascador de legumes e temperar a gosto.

Para essa receita, se você preferir assar no forno (mais prático) utilize o brócolis comum. As folhas vão ficar crocantes… uma delícia. Já na frigideira os dois tipos ficam bons. E o molho de tahine combina com muitos outros legumes… experimente! São uma ótima opção para acompanhamento, até mesmo para uma sopinha nesse frio!

img_2787

Brócolis refogados

  • 1 maço de brócolis comum ou ninja
  • 1 dente de alho
  • azeite e sal a gosto

Em uma panela grande, coloque água até mais da metade e espere ferver. Enquanto isso, lave e higienize o brócolis. Quando a água ferver, adicione os brócolis e retire após 1 minuto. (Não jogue a água da panela fora, utilize para cozinhar arroz!). Em uma frigideira ou chapa aqueça azeite e frite o alho em lâminas. Reserve o alho e use o azeite que sobrou na panela para refogar os brócolis. Sirva com molho de tahine e o alho frito.

Brócolis assados

  • 1 maço de brócolis comum
  • azeite e sal a gosto

Lave e higieniza os brócolis. Pré-aqueça o forno a 230C. Disponha os vegetais em uma forma grande, tente acomodá-los um ao lado do outro, sem sobrepô-los. Tempere com azeite e sal e asse por 25 minutos sempre checando para não queimar.

Molho de tahine

  • 2 colheres de sopa de tahine
  • 2 colheres de sopa de água
  • suco de 1 limão
  • 1 dente de alho bem picado
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 1 pitada de sal

Bata todos os ingredientes em um processador ou com a ajuda de um fouet.

Crème Brûlée

Não me lembro a primeira vez que comi crème brûlée, mas sei que foi amor na primeira colherada. O doce francês que, na tradução literal, nada mais é do que creme queimadinho é conhecido em todo o mundo. Além de ser um dos pequenos prazeres da personagem Amélie Poulain, penso que ele deve ser um sucesso tanto pelo sabor suave e textura aveludada, quanto pela facilidade e simplicidade da receita. São apenas 4 ingredientes: ovos, açúcar, creme de leite fresco e baunilha. Esse é o clássico, mas você pode inovar e trocar a baunilha por purê de framboesas, café, licor, raspas de laranja… Fica a seu critério.

O mais complicado mesmo fica na hora de fazer o queimadinho, geralmente feito com a ajuda de um maçarico. Mas vamos combinar que essa receita já existe muito antes do homem conseguir prender um gás inflamável dentro de um cilindro, né? Fora que não é só na França que o brulee faz sucesso. Os espanhóis e ingleses também já queimavam seus creminhos, seja crema catalana ou burnt cream. Portanto, se você não tem uma maçarico, pode usar o grill do forno ou até mesmo esquentando uma colher na chama do fogão. Se você ama crème brûlée vale a pena tentar!


Crème Brûlée

  • 500 ml de creme de leite fresco
  • 5 gemas
  • 5 colheres de sopa de açúcar
  • 1 fava de baunilha ou 1 colher de sopa de essência de baunilha

Aqueça o creme de leite fresco com as sementes da fava (se você usar a essência não precisa aquecer o creme). Não precisa ferver, quando aquecer desligue o fogo e tampe. Separe as gemas em uma tigela e adicione o açúcar. Bata até que o açúcar dissolva. Coloque uma concha do creme de leite na mistura de ovos e misture bem. Adicione todo o resto na panela e mexa. Disponha tigelinhas ou ramequins em uma forma retangular e com a ajuda de uma concha vá enchendo os recipientes. Coloque a forma em forno pré-aquecido a 160C (ou o mais baixo que puder no seu forno) e despeje água fervente na forma até atingir a metade dos ramequins. Deixe assando em banho maria por 1 hora. Transfira para a geladeira de 2 a 4 horas. Na hora de servir, espalhe uma fina camada de açúcar e queime com o maçarico ou uma colher bem quente.

 

img_2714

Cabô : (

Ciranda de receitas: Brownie de Chocolate Meio Amargo e Nutella

Hoje é dia de mais um post especial! Nesta semana da Ciranda de Receitas (expliquei o que é aqui) é a vez da Mel, do Artes da Mel que tem receitas deliciosas! E olha só que maravilha esse brownie! Adorei a dica de fazer nas marmitinhas e presentear as pessoas queridas ❤

IMG_3632

“Esta semana peço licença e vou entrando aqui na cozinha da querida Giulia e trago uma receita deliciosa de Brownie que fica perfeito, úmido e saboroso na medida certa. Adorooooo muito. Espero que gostem também! A receita é de dar água na boca. Geralmente preparo esta receita em marmitinhas para presentear os amigos, é um mimo que certamente irá agradar!”
 
Ingredientes:
-200g de manteiga sem sal;
-150g de chocolate meio amargo;
-2 colheres (sopa) de chocolate em pó;
-3 ovos;
-250g de açúcar;
-130g de farinha de trigo;
-Nutella ou gotas de chocolate a gosto;
-Castanhas a gosto.
 
Modo de Fazer:
1) Derreta a manteiga com o chocolate no microondas;
 
2) Bata na batedeira os ovos com o açúcar até misturar bem.
 
3) Junte o chocolate, a farinha e o chocolate em pó e misture bem;
 
4) Unte e enfarinha uma assadeira e despeje a massa; Por cima coloque a nutella, eu fui pingando algumas gotinhas com a ajuda de uma colher; e por fim salpique a castanha. Já usei amêndoas e castanhas do pará.
 
5) Leve para assar em forno pré-aquecido a 180º  por 25 minutos.

Oficina de pão e fermentação natural

IMG_2108

Como já contei aqui, aqui e aqui sobre minhas aventuras com fermentação natural vocês já devem saber que comecei a dar oficinas de pão para educadores. Foi uma forma que encontrei de compartilhar com as amigas educadoras e também de estudar mais a fundo a fermentação natural. E olha que o o estudo tá rendendo! Muitas novidades estão vindo! As oficinas também estão sendo um sucesso e muitas pessoas estão me procurando para aprender a fazer o pão. Portanto, resolvi abrir as inscrições para todos (educadores ou não).

Será uma manhã deliciosa com degustação de pães, informação, conhecimento, e claro, mão na massa.

Data: 27/08/2016
Horário: 10h às 13h
Onde: São Paulo/SP
Vagas: 12
Valor: R$70

Para se inscrever, preencha o formulário abaixo com seus dados e responderei com os dados da conta bancária para transferência ou depósito para confirmação da inscrição.

*desistências: caso você pague e não possa comparecer no dia, sua vaga estará garantida na próxima oficina. Não fazemos devolução do valor.

 

Ciranda de receitas: Raclette

O post de hoje será especial e, faz parte do Ciranda de Receitas criado pela Lylia do Simples Assim. A cada 15 dias um grupo de blogueiros participa de um sorteio e publica receitas de um blog parceiro. Achei um jeito bem bacana de divulgar o meu trabalho e de outras pessoas que escrevem sobre comida. Na minha primeira participação, irei publicar uma receita da Mel do Receber & Celebrar, um blog lindo com mil ideias de decoração e cardápios para momentos especiais da nossa vida.

E a Mel trouxe uma ideia que eu adoro e que já é tradição nas noites frias na casa dos meus pais: Raclette. Hummm! Que vontade! Imagina então com queijos artesanais brasileiros? Vamos lá:

Como toda anfitriã que se preze, gosto de servir comidas que agradem meus convidados. Mas convenhamos que agradar é fácil, uma boa pizza geralmente resolve. Agora, o que você acha de agradar e também surpreender? Eu acho muito mais prazeroso!  Por isso que vivo inventando moda na cozinha, inventando tema pra festas e ideias do que servir quando recebo visitas em casa.

Quer uma dica do que faz grande sucesso? Raclette! 

Ela tem origem Suíca e dizem que é prima da fondue. O prato, que tem como um dos ingredientes principais um queijo de mesmo nome, é montado na mesa e degustado sem pressa.


A raclette exige pouquíssima preparação prévia. Disponha uma variedade de alimentos na mesa e deixe que cada pessoa coloque o que quiser comer sobre a grelha.

Raclette1

As fotos deste post foram tiradas quando recebi um queridíssmo casal de amigos para jantar. Além da racleteira, foram para mesa de jantar 5 tipos de queijos fatiados, batatinhas pré-cozidas, carne bovina e filé de peito de frango. Também coloquei em um prato de dois andares algumas fatias de abobrinha, tomates, cebolas e pimentões.

Queijos_racletteFazer_racletteIMG_8238Como_fazer_raclette

Pra quem ainda não comeu raclette, funciona assim: a racleteira é ligada na energia elétrica e esquenta uma resistência. Essa resistência aquece a chapa/pedra acima dela e o calor derrete rapidamente as fatias de queijo que são colocadas nestas mini-frigideiras.

Acompanhamento_raclette

O resultado? Carne no ponto que cada um prefere, legumes cobertos com uma generosa camada de queijo, mix de queijos derretidos cobrindo batatas e salsichas e muitas outras coisas.  Basta abusar das opções e experimentar combinações ousadas!

IMG_8231

Dia de raclette é dia sem bagunça na cozinha e sem medo de errar a receita. 

Então curta suas companhias, divirta-se num bom papo e aproveite o que a vida tem de melhor.

Um grade abraço, 

Mel Villas-Boas do blog Receber & Celebrar.

logomarca ciranda2

Mexidinho

Essa é uma ótima receita pro dia-a-dia, pois é prática, tudo numa panela só e cheia de cores diferentes. Uma ótima opção para variar o feijão carioca, já que está super caro. Usei o fradinho que está um pouco mais barato, mas dá pra usar o preto também. Ah, a escolha do arroz aqui é importante. Usei o o cateto integral orgânico que é infinitamente mais saboroso que o arroz integral comum. Se você não curte muito arroz integral, vale a pena experimentar o cateto: mais firme, cremoso e saboroso.

Mexidinho

  • 2 xícaras de arroz cateto integral
  • 2 xícaras de feijão fradinho
  • 4 talos de alho poró pequenos em rodelas
  • 3 dentes de alho picados
  • 2 cebolas médias em meia lua
  • 2 tomates sem sementes em cubos pequenos
  • 3 queijo coalho no palito (aqueles de churrasco mesmo)
  • salsinha e coentro a gosto

Deixe o feijão fradinho de molho por 12 horas e cozinhe em água. Escorra e reserve. Faça o mesmo com o arroz. Tire os queijinhos do palito e corte em cubos. Doure em uma frigideira bem quente. Reserve. Em uma panela grande, refogue o alho poró, alho e cebola por 7 minutos em fogo médio com um pouco de azeite. Quando o refogado estiver macio e um pouco dourado, acrescente o arroz e o feijão. Refogue e tempere com sal. Acrescente o tomate, salsinha e coentro e por último o queijo. Misture bem e bom apetite! Também fica ótimo servido com uma couve refogadinha. Hummmm!