Sorvete de banana caramelada

17269550_1597269326969108_649092360_o

Quando eu vi essa receita de Sorvete de Banoffee Pie do Prato Fundo semana passada, sabia que eu tinha que fazer o mais rápido possível! Desde que postei a receita da Dani Noce com a massa de fermentação natural aqui no blog, o gostinho de quero mais ficou no ar, mas nunca me animo pra fazer tortas (preguicinha, é verdade). Porém, desde que resgatei minha sorveteira da cozinha dos meus pais, decidi testar novas receitas, e essa pareceu perfeita!

Vou começar já dizendo que eu não achei nada parecida com a torta de banoffee que já tinha provado. Na receita que fiz, o recheio é de creme de confeiteiro com doce de leite e fica super leve, suave e não muito doce. Já a receita do Prato Fundo foi baseada em uma outra do Jamie Oliver em que a base é feita de caramelo de banana. Achei a ideia genial, pois o gosto da banana ficar super acentuado e delicioso.

Fiquei encucada com a referência de banoffee pie ser diferente para uns e outros. Fui pesquisar e no Wikipedia diz que a receita original foi criada no restaurante The Hungry Monk, na Inglaterra. A parte do toffee vem do leite condensado cozido por horas (na minha terra isso chama doce de leite, hehe) e a banana vem só por cima para decorar. Ou seja, acredito que o Jamie quis levar a palavra toffee (que é manteiga e açúcar) ao pé da letra e não usar leite condensado, criando um caramelo de banana. Achei a ideia incrível, porém com sabor bem diferente da tradicional.

Por conta de tudo isso, o título da receita se chamará sorvete de banana caramelada, pois acredito que o gosto da banana e o caramelo falem mais alto. Gostei muito do resultado. Ficou super cremoso e com um sabor maravilhoso de banana. Um pouco doce pro meu paladar, da próxima vez diminuo o açúcar, mas mesmo assim vale a pena. Ah, também acabei fazendo sem a bolacha maizena 🙂

Ingredientes

  • 150g açúcar cristal
  • 250g bananas nanicas maduras (ou 2 bananas médias)
  • 100g leite integral
  • 1 colher de chá de essência da baunilha (ou extrato, ou a fava)
  • 300g creme de leite fresco gelado
  • 15g açúcar refinado

Em um mixer ou liquidificador coloque as bananas picadas, leite e a baunilha (se usar essência, deixe a baunilha para colocar no final do preparo do caramelo). Bata bem até obter uma mistura homogênea e reserve.

Em uma panela alta, coloque o açúcar para caramelizar em fogo médio e mexa de vez em quando até obter um caramelo cor âmbar. (Eu tenho traumas com caramelos e esse passou um pouco do tempo, ficou um pouquinho amargo, portanto, não deixe queimar demais. 6 minutos teriam sido suficientes.)

Adicione a mistura de bananas e cozinhe por mais 6 minutos, até que tudo se dissolva bem. Tome cuidado nessa hora, o caramelo pode espirrar!

Desligue o fogo e transfira o caramelo para uma tigela e deixe esfriar completamente.

Enquanto isso, bata o creme de leite e o restante do açúcar em ponto chantilly. Incorpore o creme no caramelo frio, devagar e com paciência. A mistura ficará bem areada e leve. Transfira para um pote e leve ao congelador por 6 horas. Prontinho, nem precisa de sorveteira 😉 Fica super cremoso! E caso queira usar uma,  é só seguir as instruções do fabricante.

 

Massa de torta com fermento natural: três possibilidades

Este post está super especial, pois além de ter três receitas, todas foram feitas utilizando fermento natural. Sim, sim. Você pode usar o fermento natural que vai no pão para fazer outras receitas. Andei testando algumas já… e essa de massa de torta rendeu um montão de ideias.

Geralmente, quando cultivamos uma cultura de bactérias para fazer pão (aka fermento natural, levain, massa madre), acabamos nos deparando com mais quantidade do que necessário e não tem muito jeito… acaba indo pro lixo. Uma pena, mas isso agora não é mais um problema! Dá pra usar em outras receitas durante a semana.

O The Perfect Loaf, blog de fermentação super bonito e bem feito, postou uma receita com essa massa de torta (e uma galette de frutas) e decidi me arriscar. Eu fiz massa pouquíssimas vezes e não sabia se ia dar certo… mas deu tão certo que arrisquei mais duas ideias: uma quiche salgada e uma torta de banana com doce de leite, mais conhecida como Banoffee Pie. E ficou tudo uma delícia! E tudo isso com apenas uma receita de massa, que você confere abaixo.

Massa de torta com fermento natural

img_2788

Fiz algumas alterações na receita original e deu tudo certo. O seu fermento deve estar alimentado com 100% de hidratação, ou seja, a mesma quantidade de farinha e água. Você pode usar o fermento alimentado ou não, a escolha é sua. O meu foi alimentado antes, pois aproveitei pra fazer pão depois. A massa da torta não irá fermentar como a do pão, por isso os benefícios da fermentação natural não são utilizados aqui, pois não há pré-digestão da farinha, eu imagino. Porém, o sabor fica mais intenso e gostoso.

  • 2 1/2 (295g) xícaras de farinha de trigo
  • 200g de manteiga sem sal
  • 1 colher de sopa de açúcar (opcional)
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 xícara de fermento natural
  • um pouco de água para dar o ponto

Misture a farinha, açúcar e sal com as mãos em uma tigela. Corte a manteiga em cubinhos e com a ajuda de uma espátula misture a manteiga na farinha. Depois, comece a “quebrá-los” com a ponta da espátula ou com um garfo. A intenção é fazer uma “farofa”, mas não incorporar a manteiga totalmente na farinha. Deixe a manteiga em tamanhos desiguais, com o tamanho máximo de uma moeda de 10 centavos e outras menores que isso. Adicione o fermento e misture com mãos até conseguir formar uma bola. Se necessário utilize água (bem pouquinho de cada vez). A massa não vai desgrudar das mãos e não trabalhe demais a massa. Os pedacinhos de manteiga vão garantir a crocância 😉 Forme uma bola, embale em papel filme e deixe na geladeira de 2 a 24 horas antes de usar. (não precisa fermentar, é só deixar a massa BEM gelada antes de usar).

Galette de frutas

Escolha frutas maduras de sua preferência para essa receita!

img_2806

  • 1 caixinha de morangos frescos
  • 2 pêssegos
  • metade da receita de massa de torta

Corte os morangos em quatro partes e os pêssegos em fatias. Se você gostar de muito de doces, pode adicionar um pouco de açúcar às frutas, mas eu resolvi deixar sem. Misture numa tigela e reserve. Abra a massa em um disco, sem deixar muito fina. Coloque as frutas no meio e vá dobrando as sobras da massa por cima das frutas. Para deixar a massa mais bonita, pincele um ovo batido por cima da massa (como eu não tinha ovos, a minha ficou um pouco pálida). Asse em forno pré-aquecido a 200C por 50 minutos. Sirva ainda quente com chantilly ou sorvete. NHAM!

img_2808img_2807

Banoffee pie ou torta de banana com doce de leite

Como sobrou metade da massa da galette, resolvi testar uma receita que queria fazer há muito tempo! A Banoffee Pie nada mais é do que puro doce de leite, mas achei que ficaria muito enjoativo. Fui atrás de outra receita e achei essa da Danielle Noce (que sou super fã!) com um creme de confeiteiro de doce de leite… e ficou doce na medida certa e super cremoso! Ai, só de lembrar quero mais!

  • massa de torta (usei forminhas de 13 cm)
  • 1 banana fatiada
  • 100 ml de creme de leite fresco (para o chantilly)
  • 225 g de doce de leite
  • 250 ml de leite
  • 3 gemas
  • 20 g de amido de milho

Abra a massa com um rolo um pouco maior do que o diâmetro da forma. Prefira mais fina do que a galette, assim ficará mais crocante e bonita. Faça furinhos com um garfo e coloque grãos por cima da massa para que ela não deforme no forno. Pode usar feijão ou grão de bico. Asse em forno pré-aquecido a 200C até que fique bem douradinha (ou 30 minutos). Na metade do tempo, retire os grãos e guarde em um pote para usar da próxima vez (para retirá-los mais facilmente, coloque papel manteiga untado entre a massa e os grãos)

Em uma panela, aqueça o leite e o doce de leite. Quando ferver, adicione as gemas batidas com o amido de milho e mexa até engrossar. Retire do fogo e reserve na geladeira com um filme plástico em contato com o creme para não criar película. Se estiver com pressa, coloque em um assadeira grande.

Recheie as tortinha com o creme, enfeite com as rodelas de banana e coloque um pouco de chantilly no topo. NHAM! Rende três tortinhas de 13 cm de diâmetro.

Quiche de queijo e cebolas

Com a mesma receita, a massa ainda rendeu uma quiche! Eu nunca tinha feito quiche e ficou tão maravilhoso ❤ Tô muito orgulhosa! Pode variar no recheio, mas esse de cebolas e queijo fica incrível!

img_2811

  • 2 ovos
  • 100 ml de creme de leite fresco
  • 3 cebolas pequenas em fatias
  • 200g de queijo parmesão ralado na hora

Siga os mesmos passos para assar a massa da torta de banana descritos acima, porém retire a massa do forno antes de dourar. Usei uma forma de 18 cm de diâmetro.

Refogue as cebolas em uma frigideira com um pouco de sal e azeite até ficarem bem douradas. Em uma tigela, quebre os ovos, adicione a cebola, o queijo e o creme de leite e misture bem.

Despeje a mistura na massa de torta pré-assada e asse em forno pré-aquecido a 200C por 25 minutos. Aproveite!

 

 

Creme de banana e frutas vermelhas

IMG_1998

Esse creminho é super versátil, pode ser um nutritivo café da manhã, lanche da tarde e até sobremesa! No verão eu uso todas as frutas congeladas, mas agora que tá mais friozinho, só as frutas vermelhas vão pro mixer geladinhas e aí vira um creminho. Se você usar a banana congelada também, aí a sobremesa tá garantida! Um sorbet maravilhoso vai se formar. E pode ser criativo! Use a fruta que quiser, mas indico a banana ou manga que dão muita cremosidade. Outra boa mistura é manga + maracujá + framboesa ou manga + maracujá + hortelã. É um ótima receita pra fazer com as crianças e observar a mistura de cores lindas das frutas. Vocês podem até bater cada fruta separada e brincar de “tinta”, cada um fazendo uma mistura de cores na sua tigela e na barriga 🙂

As opções são infinitas! Divirta-se!

Creme de banana e frutas vermelhas

  • 2 bananas maduras
  • amora e mirtilo congeladas a gosto
  • 1 colher de sopa de mel (opcional)
  • 1 colher de sopa de chia (opcional)
  • granola (opcional)

Bater tudo no mixer/liquidificador/processador.