Fainá

Das vezes que fomos para Buenos Aires, sempre me chamava a atenção as plaquinhas do lado de fora das pizzarias Kentucky: Pizza a caballo. Eu ficava imaginando uma pizza com um ovo frito em cima, já que minha única referência é o famoso bife a cavalo. Mas, não tem nada de ovo não… é na verdade o fainá ou la fainá, uma panqueca feita de farinha de grão de bico que acompanha a pizza.

WhatsApp Image 2017-06-28 at 19.42.58

O fainá é um prato originário da Gênova, na Itália e foi trazida por imigrantes no começo do século passado e é bem conhecido na Argentina e no Uruguai. Já no Velho Continente é conhecido por farinata di ceci. Quando experimentei da primeira vez, confesso que não achei graça, e ainda me pergunto por quê comer junto com a pizza. É uma massa bem densa, mas neutra. Fiquei intrigada para saber como era feita e quando pesquisei a receita fiquei animada com a praticidade… só juntar a farinha de grão de bico, sal, azeite de oliva, água e forno. Me empolguei e acabei aproveitando a neutralidade da massa pra colocar um recheio bem gostoso em cima e comer como uma pizza.

WhatsApp Image 2017-06-28 at 19.42.59

Foi uma ótima pedida para um jantar de meio de semana, super rápido, prático e mata a fome de todo mundo! Para os recheios escolhi queijo com cebolas carameladas, ou como os hermanos gostam de chamar fugazzeta; e abobrinhas grelhadas, cebola roxa, tomatinhos e queijo brie.

Fainá

  • 250g de farinha de grão de bico
  • 700ml de água
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de sal

Misturar tudo bem com um fouet ou garfo. A massa ficará bem líquida. Coloque metade em uma assadeira redonda alta de aproximadamente 25 cm de diâmetro em forno pré aquecido a 200C por 35 minutos. Adicione o recheio de sua preferência e volte ao forno por mais 5 minutos. Ou, faça como os portenhos e como com a sua pizza. 😉

Abóbora assada com mel e balsâmico

Semana passada comprei meia abóbora cabotiá pra fazer a receita de curry vegetariano da Rita Lobo, que faz parte de uma série pro Youtube do canal Panelinha, o Em Uma Panela Só. Já pensando no jantar do resto da semana, reservei metade da abóbora na geladeira. Daí foi só descongelar o feijão vermelho orgânico já cozido, temperar com cebola bem fritinha, fazer uma farofinha com tomates em cubos e colocar a abóbora no forno. Pronto, almoço do sábado garantido e bem rápido!

A receita também é do site Panelinha e ficou deliciosa. Não achava que só um pouquinho de mel e balsâmico iam dar tanto sabor à abóbora, mas ficou ácido e doce na medida certa. A textura fica bem macia e ao mesmo firme, condensando todo o sabor da cabotiá. Para decorar, espalhei salsinha picada e sementes de girassol.

  • 1/4 de abóbora cabotiá
  • 2 colheres de sopa de mel
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 2 colheres de sopa de vinagre balsâmico
  • sal e pimenta do reino a gosto

pré aqueça o forno a 200C. Corte a abóbora em fatias de mais ou menos 2 cm. Misture o azeite, mel e balsâmico em uma tigela grande e coloque a abóbora, mexendo com as mãos para que pegue bem o molho. Coloque as fatias enfileiradas em uma forma e tempere com o azeite e sal. Leve ao forno e asse até que fiquem macias. (no meu forno demorou 45 minutos)

Outras combinações interessantes:

shoyu + azeite + gengibre picado + alho + gergelim

azeite + sal + tomilho

azeite + sal + páprica defumada

 

Legumes assados e tostados

Na escola onde trabalho toda semana tem feira orgânica. É uma delícia! As crianças adoram ficar atrás da barraca ajudando e brincando de feira. Há duas semanas encontrei cenouras bonitas, com as ramas, pequeninas, pedindo para serem levadas. Na hora me lembrei de uma receita da Vivian, do Francinha Cooks, de cenouras assadas. Levei. Cheguei em casa e cortei as folhas verdes, lavei bem, as enfileirei em um forma anti-aderente, coloquei sal, azeite e sumo de um limão e forno bem quente por 40 minutos (virando de vez em quando para dourarem por inteiro). Ficou tão bom que nem me lembro qual era o prato principal. As cenouras foram as estrelas.

17229995_1593639117332129_1805821726_o

Também levei beterrabas naquele dia. E lembrei de outra receita, dessa vez da Dani Noce. Corte as beterrabas em gomos (não muito grandes) e coloque em papel alumínio.Tempere com sal, azeite, pimenta do reino e limão e feche formando uma trouxinha. Leve a forno bem quente por 40 minutos. Nham! As minhas até vazaram um pouquinho, queimando em baixo, criando uma crostinha ma-ra-vi-lho-sa. Viva a reação de Maillard!

17237276_1597269340302440_1082373751_o

E pra completar minha semana apaixonada por legumes assados e tostados, comprei quiabos no mercado (desta vez não foram orgânicos0) e cortei no meio. Mais uma vez: sal e azeite e forno bem quente. Em 15 minutos estavam prontos! Lembrando de virar para tostar dos dois lados. Ficou super crocante, um sabor incrível! Eu amo quiabo de qualquer jeito, mas esse ficou bem diferente, vale provar.

Mesmo no calor que está fazendo aqui em São Paulo, não me arrependi de ligá-lo e cheguei a conclusão que os legumes são muito mais gostoso assados. Tudo muito simples e incrivelmente saboroso! Você pode variar os temperos, adicionando páprica, cúrcuma, orégano, alecrim, sálvia, manjericão, alho, shoyu, azeite balsâmico… e misturando com qualquer legume: batata, batata doce, berinjela, abobrinha, cebola, tomate, pimentão, abóbora, brócolis…o que você tiver em casa.

Queimadinho assim é sempre mais gostoso!

17200846_1597269333635774_413264674_o

Peixe ao molho branco com amêndoas

img_0352

Essa receita é inspirada em um prato do restaurante espanhol Maripili, um dos nossos preferidos aqui em São Paulo. Numa esquina descompromissada no bairro Chácara Santo Antônio, o concorrido Maripili encanta pela simplicidade. Todos os pratos, feitos para compartilhar, contém poucos ingredientes e muito sabor. Como não comemos carne, sempre nos contentamos com os frutos do mar servidos na casa: gambas al ajillo, bacalao a vizacaína e um bacalhau com molho branco e amêndoas tostadinhas de dar água na boca. Não consigo me lembrar o nome do prato em espanhol, portanto não sei se é uma receita tradicional, mas eu nunca havia experimentado. Pra falar a verdade até achava que não combinava muito bem, mas eu estava enganada. É um prato delicioso!

Como bacalhau é bem caro, resolvi tentar fazer com um filé de truta congelado que eu tinha no freezer. Deu super certo e ficou uma delícia! Acredito que qualquer peixe mais suave deve ficar bom. Para o molho imaginei que fosse um bechamel comum, mas senti vários pedacinhos de cebola quando comi no Maripili, então adicionei na hora de preparar o roux. Depois é só cobrir os filés com o molho e levar ao forno por 15 minutos. As amêndoas são tostadas na frigideira e pronto! Um jantar maravilhoso estará a sua espera. Aqui em casa resolvi servir com uma saladinha de coentro e tomatinhos e arroz cateto e negro. Buen provecho!

Peixe ao molho branco com amêndoas

  • 3 filés de truta
  • 1 cebola pequena cortada em cubos
  • 3 colheres de sopa de manteiga
  • 3 colheres de sopa (cheias) de farinha branca5
  • 500 ml de leite
  • sal, azeite e pimenta a gosto
  • 4 colheres de sopa de amêndoas em lascas

Em uma assadeira, tempere os filés com azeite, pimenta e sal a gosto. Pré-aqueça o forno a 200C e reserve. Em uma panela pequena, aqueça a manteiga até derreter e refogue a cebola por 3 minutos em fogo médio. Acrescente a farinha e mexa por mais 3 minutos. Acrescente o leite aos poucos para não empelotar. Em fogo baixo, mexa até engrossar. Acerte o sal. Cubra os filés na assadeira com o molho e leve ao forno por 15 minutos ou até que o peixe esteja cozido.  Esquente uma frigideira e coloque as amêndoas. Mexa a frigideira para não queimar até que as amêndoas estejam douradas. Sirva por cima do peixe. Se necessário, cubra o peixe com mais molho.

img_0361

 

 

 

Quibe de abóbora e molho de iogurte

Em dias de calor minha mãe sempre costumava fazer iogurte com pepino e hortelã pra comer com a salada. Eu acho uma delícia, além de super refrescante. Sempre pensei que fosse uma receita inventada por ela mesma, ou costume de família. Até que um dia fui visitar uma amiga que também tem família armênia, como eu, e encontrei o mesmo prato sendo servido. Eu parecia criança de novo, toda feliz contando pra ela que minha mãe fazia. Aí ela me contou que se chama djadãr em armênio e que na casa dela eles costumam usar orégano no lugar da hortelã e comer como se fosse uma sopinha mesmo. De novo, me apaixonei! Tanto com hortelã quanto com orégano ficam uma delícia. Dessa vez, escolhi servir com quibe de abóbora (mas eu gosto mesmo é de comer de colher!!)

Ingredientes djadãr:

  • 2 copos de iogurte natural ou coalhada
  • 1 pepino japonês em cubinhos
  • óregano, azeite e sal a gosto
  • cubos de gelo

Misture tudo em uma tigela grande.

Ingredientes quibe de abóbora:

  • 500g de abóbora cabotiá cortada em cubos
  • 2 xícaras de trigo para quibe
  • 2 xícaras de água quente
  • 1 cebola grande fatiada
  • 3 dentes de alho amassados
  • 1 maço de hortelã
  • cominho, sal e páprica picante a gosto

Em uma panela grande refogue a cebola e o alho com azeite e sal até ficar bem dourados. Acrescente a abóbora e encha 1/4 da panela com água. Tampe e cozinhe até a abóbora ficar bem macia. Enquanto isso, hidrate o trigo com água quente. Amasse a abóbora com um garfo ou use um mixer. Escorra bem o trigo e misture com a abóbora. Tempere com azeite, sal, cominho, páprica picante e mexa bem. Leve a um refratário em forno pré-aquecido a 200C por 30 minutos. Sirva com djadjãr.

img_0023img_0022img_0024

Ratatouille

Adoro fazer receitas que usam sobras! Confesso que me sinto a própria Rita Lobo, a rainha da economia doméstica rs! No domingo passado, sobrou um pouquinho do molho de tomate que fizemos para o macarrão (se quiser uma receita maravilhosa de molho, clica aqui para ver a Paola ❤ ensinando) e na hora eu pensei em fazer uma ratatouille. Na verdade, essa receita não pede molho de tomate, mas eu achei que combinou e ficou muito gostoso! Além de ser uma ótima opção para a janta, é rápido de fazer e é comida de verdade ❤

Ingredientes

  • 2 tomates maduros
  • 1 abobrinha
  • 1 berinjela
  • 2 cebolas roxas
  • 1 xícara de molho de tomate caseiro
  • Sal e azeite a gosto
  • Alecrim, tomilho ou ervas que preferir

Corte os tomates, abobrinha, berinjela e cebolas em rodelas finas. Em um refratário intercale as rodelas e tempere com sal e azeite. Coloque o molho por cima e complemente com ervas secas a gosto (eu usei alecrim). Leve ao forno pré-aquecido a 180C por 30 minutos.

Optei servir com arroz cateto e negro e ficou uma delícia! Jantar super levinho e delícia!

Massa de torta com fermento natural: três possibilidades

Este post está super especial, pois além de ter três receitas, todas foram feitas utilizando fermento natural. Sim, sim. Você pode usar o fermento natural que vai no pão para fazer outras receitas. Andei testando algumas já… e essa de massa de torta rendeu um montão de ideias.

Geralmente, quando cultivamos uma cultura de bactérias para fazer pão (aka fermento natural, levain, massa madre), acabamos nos deparando com mais quantidade do que necessário e não tem muito jeito… acaba indo pro lixo. Uma pena, mas isso agora não é mais um problema! Dá pra usar em outras receitas durante a semana.

O The Perfect Loaf, blog de fermentação super bonito e bem feito, postou uma receita com essa massa de torta (e uma galette de frutas) e decidi me arriscar. Eu fiz massa pouquíssimas vezes e não sabia se ia dar certo… mas deu tão certo que arrisquei mais duas ideias: uma quiche salgada e uma torta de banana com doce de leite, mais conhecida como Banoffee Pie. E ficou tudo uma delícia! E tudo isso com apenas uma receita de massa, que você confere abaixo.

Massa de torta com fermento natural

img_2788

Fiz algumas alterações na receita original e deu tudo certo. O seu fermento deve estar alimentado com 100% de hidratação, ou seja, a mesma quantidade de farinha e água. Você pode usar o fermento alimentado ou não, a escolha é sua. O meu foi alimentado antes, pois aproveitei pra fazer pão depois. A massa da torta não irá fermentar como a do pão, por isso os benefícios da fermentação natural não são utilizados aqui, pois não há pré-digestão da farinha, eu imagino. Porém, o sabor fica mais intenso e gostoso.

  • 2 1/2 (295g) xícaras de farinha de trigo
  • 200g de manteiga sem sal
  • 1 colher de sopa de açúcar (opcional)
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 xícara de fermento natural
  • um pouco de água para dar o ponto

Misture a farinha, açúcar e sal com as mãos em uma tigela. Corte a manteiga em cubinhos e com a ajuda de uma espátula misture a manteiga na farinha. Depois, comece a “quebrá-los” com a ponta da espátula ou com um garfo. A intenção é fazer uma “farofa”, mas não incorporar a manteiga totalmente na farinha. Deixe a manteiga em tamanhos desiguais, com o tamanho máximo de uma moeda de 10 centavos e outras menores que isso. Adicione o fermento e misture com mãos até conseguir formar uma bola. Se necessário utilize água (bem pouquinho de cada vez). A massa não vai desgrudar das mãos e não trabalhe demais a massa. Os pedacinhos de manteiga vão garantir a crocância 😉 Forme uma bola, embale em papel filme e deixe na geladeira de 2 a 24 horas antes de usar. (não precisa fermentar, é só deixar a massa BEM gelada antes de usar).

Galette de frutas

Escolha frutas maduras de sua preferência para essa receita!

img_2806

  • 1 caixinha de morangos frescos
  • 2 pêssegos
  • metade da receita de massa de torta

Corte os morangos em quatro partes e os pêssegos em fatias. Se você gostar de muito de doces, pode adicionar um pouco de açúcar às frutas, mas eu resolvi deixar sem. Misture numa tigela e reserve. Abra a massa em um disco, sem deixar muito fina. Coloque as frutas no meio e vá dobrando as sobras da massa por cima das frutas. Para deixar a massa mais bonita, pincele um ovo batido por cima da massa (como eu não tinha ovos, a minha ficou um pouco pálida). Asse em forno pré-aquecido a 200C por 50 minutos. Sirva ainda quente com chantilly ou sorvete. NHAM!

img_2808img_2807

Banoffee pie ou torta de banana com doce de leite

Como sobrou metade da massa da galette, resolvi testar uma receita que queria fazer há muito tempo! A Banoffee Pie nada mais é do que puro doce de leite, mas achei que ficaria muito enjoativo. Fui atrás de outra receita e achei essa da Danielle Noce (que sou super fã!) com um creme de confeiteiro de doce de leite… e ficou doce na medida certa e super cremoso! Ai, só de lembrar quero mais!

  • massa de torta (usei forminhas de 13 cm)
  • 1 banana fatiada
  • 100 ml de creme de leite fresco (para o chantilly)
  • 225 g de doce de leite
  • 250 ml de leite
  • 3 gemas
  • 20 g de amido de milho

Abra a massa com um rolo um pouco maior do que o diâmetro da forma. Prefira mais fina do que a galette, assim ficará mais crocante e bonita. Faça furinhos com um garfo e coloque grãos por cima da massa para que ela não deforme no forno. Pode usar feijão ou grão de bico. Asse em forno pré-aquecido a 200C até que fique bem douradinha (ou 30 minutos). Na metade do tempo, retire os grãos e guarde em um pote para usar da próxima vez (para retirá-los mais facilmente, coloque papel manteiga untado entre a massa e os grãos)

Em uma panela, aqueça o leite e o doce de leite. Quando ferver, adicione as gemas batidas com o amido de milho e mexa até engrossar. Retire do fogo e reserve na geladeira com um filme plástico em contato com o creme para não criar película. Se estiver com pressa, coloque em um assadeira grande.

Recheie as tortinha com o creme, enfeite com as rodelas de banana e coloque um pouco de chantilly no topo. NHAM! Rende três tortinhas de 13 cm de diâmetro.

Quiche de queijo e cebolas

Com a mesma receita, a massa ainda rendeu uma quiche! Eu nunca tinha feito quiche e ficou tão maravilhoso ❤ Tô muito orgulhosa! Pode variar no recheio, mas esse de cebolas e queijo fica incrível!

img_2811

  • 2 ovos
  • 100 ml de creme de leite fresco
  • 3 cebolas pequenas em fatias
  • 200g de queijo parmesão ralado na hora

Siga os mesmos passos para assar a massa da torta de banana descritos acima, porém retire a massa do forno antes de dourar. Usei uma forma de 18 cm de diâmetro.

Refogue as cebolas em uma frigideira com um pouco de sal e azeite até ficarem bem douradas. Em uma tigela, quebre os ovos, adicione a cebola, o queijo e o creme de leite e misture bem.

Despeje a mistura na massa de torta pré-assada e asse em forno pré-aquecido a 200C por 25 minutos. Aproveite!

 

 

Ciranda de receitas: Raclette

O post de hoje será especial e, faz parte do Ciranda de Receitas criado pela Lylia do Simples Assim. A cada 15 dias um grupo de blogueiros participa de um sorteio e publica receitas de um blog parceiro. Achei um jeito bem bacana de divulgar o meu trabalho e de outras pessoas que escrevem sobre comida. Na minha primeira participação, irei publicar uma receita da Mel do Receber & Celebrar, um blog lindo com mil ideias de decoração e cardápios para momentos especiais da nossa vida.

E a Mel trouxe uma ideia que eu adoro e que já é tradição nas noites frias na casa dos meus pais: Raclette. Hummm! Que vontade! Imagina então com queijos artesanais brasileiros? Vamos lá:

Como toda anfitriã que se preze, gosto de servir comidas que agradem meus convidados. Mas convenhamos que agradar é fácil, uma boa pizza geralmente resolve. Agora, o que você acha de agradar e também surpreender? Eu acho muito mais prazeroso!  Por isso que vivo inventando moda na cozinha, inventando tema pra festas e ideias do que servir quando recebo visitas em casa.

Quer uma dica do que faz grande sucesso? Raclette! 

Ela tem origem Suíca e dizem que é prima da fondue. O prato, que tem como um dos ingredientes principais um queijo de mesmo nome, é montado na mesa e degustado sem pressa.


A raclette exige pouquíssima preparação prévia. Disponha uma variedade de alimentos na mesa e deixe que cada pessoa coloque o que quiser comer sobre a grelha.

Raclette1

As fotos deste post foram tiradas quando recebi um queridíssmo casal de amigos para jantar. Além da racleteira, foram para mesa de jantar 5 tipos de queijos fatiados, batatinhas pré-cozidas, carne bovina e filé de peito de frango. Também coloquei em um prato de dois andares algumas fatias de abobrinha, tomates, cebolas e pimentões.

Queijos_racletteFazer_racletteIMG_8238Como_fazer_raclette

Pra quem ainda não comeu raclette, funciona assim: a racleteira é ligada na energia elétrica e esquenta uma resistência. Essa resistência aquece a chapa/pedra acima dela e o calor derrete rapidamente as fatias de queijo que são colocadas nestas mini-frigideiras.

Acompanhamento_raclette

O resultado? Carne no ponto que cada um prefere, legumes cobertos com uma generosa camada de queijo, mix de queijos derretidos cobrindo batatas e salsichas e muitas outras coisas.  Basta abusar das opções e experimentar combinações ousadas!

IMG_8231

Dia de raclette é dia sem bagunça na cozinha e sem medo de errar a receita. 

Então curta suas companhias, divirta-se num bom papo e aproveite o que a vida tem de melhor.

Um grade abraço, 

Mel Villas-Boas do blog Receber & Celebrar.

logomarca ciranda2

Estrogonofe de palmito

IMG_2285

É, eu acabei de escrever no último post que não gosto de dar o mesmo nome pra pratos versão natureba, mas devo dizer que esse estrogonofe tem gostinho do que eu comia na infância, então, por isso, me reservo o direito de chamar essa receita de estrogonofe! 😀

Desde que parei de comer carne, sempre senti falta do molhinho rosinha do estrogonofe, mas mesmo com vontade de comer, não consigo engolir a carne. Quando encontrei essa receita foi pura felicidade! Já variei bastante os ingredientes: ao invés do palmito, usei abobrinha, abóbora menina, cogumelos… geralmente algum legume mais durinho.

Na semana passada achei o palmito pupunha fresco no mercado (e num preço bom) e testei pela primeira vez sem o palmito em conserva e ficou muuuito melhor. Para acompanhar sempre faço umas batatas no forno com alecrim, sal e azeite. Pode ser batata doce ou asterix e de vez em quando também gosto da palha 😀

Ah, também dá pra tirar o creme de leite e colocar leite de coco ou algum leite vegetal.

Então vamos para a receita!

  • 400g (ou 1 vidro de palmito, 1 abobrinha e 1 bandeijinha de cogumelo paris fresco)
  • 1 cebola e 2 dentes de alho picados
  • 2 col. de sopa de extrato de tomate
  • 1 tomate maduro picado (opciona)
  • sal e pimenta a gosto
  • 1 caixinha de creme de leite
  • 1 xícara de água

Refogar a cebola e o alho com um pouquinho de azeite. Acrescentar o tomate e deixar cozinhar bem. Adicionar os legumes que você escolheu e refogar. Adicionar o extrato de tomate e água, temperar com sal e pimenta e deixar cozinhar com a tampa por 5 minutos. Desligar o fogo e acrescentar o creme de leite. Misturar e servir! Hummm

Sopa de abóbora com gengibre

IMG_1991

Abóbora cabotiá, coentro, cebolinha, gengibre, cúrcuma (achei a cúrcuma na Feira Orgânica do Ibirapuera, em São Paulo), cebola e alho.

Corte a cebola em cubos e ligue o fogo. Quando a panela esquentar, jogue azeite (o suficiente para cobrir o fundo da panela com uma fina camada) e refogue a cebola. Se começar a fritar muito rápido, abaixe o fogo e adicione uma pitada de sal. Isso vai fazer a cebola soltar água e não queimá-la. Eu gosto de colocar o alho só depois da cebola estar bem douradinha (já queimei muitos pedacinhos de alho antes…) mas isso vai do gosto de cada um.

Coloque a abóbora cortada em cubos grandes. Se for orgânica, pode colocar a casca junto! Se não vai dar um pouco de trabalho tirá-la, mas não deixe de fazer você mesmo. Quando fui comprar essa abóbora da foto, passei pela prateleira dos “já-embalados-descascados-e-cortados” pra descobrir que o preço da cabotiá fica R$85 o quilo!!!! Além de produzir mais lixo (bandeijinha de isopor) e te poupar de tocar no alimento para prepará-lo (é só jogar direito na panela), ainda sai bem mais caro pro seu bolso.

Continuando… Misture bem com uma colher e adicione os talos do gengibre e a cebolinha picados. Você pode usar uma tesoura e ir cortando direto na panela (Santa Nigella!!). Depois, coloque a cúrcuma e o gengibre em rodelas pra dourar também. Sal e pimenta a gosto e cubra com água. Tampe e espere até tudo ficar macio.

Depois é só bater tudo no liquidificador ou usar um mixer de mão (muuuuito prático!) e servir com uma fio de azeite, páprica, cebolinha e coentro frescos e um bom pão. hummmmmmmmm

IMG_1995

gente, eu não ia colocar a receita certinha, pois não é assim que eu faço. mas, vou tentar organizar aqui pra vocês:

Sopa de abóbora com gengibre

  • meia abóbora cabotiá cortada em cubos (300g a 500g)
  • um pedaço de gengibre de 3 cm em fatias
  • um pedaço de cúrcuma de 3 cm em fatias (ou 1 colher de de chá cheia de cúrcuma em pó)
  • 1 cebola cortada em cubinhos
  • 2 dentes de alho (ou mais… eu coloco bastante :D)
  • 1 maço de coentro
  • 2 talos de cebolinha
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • sal e pimenta a gosto
  • 1 litro de água

Refogar tudo em uma panela com azeite e cobrir com a água. Espere que tudo fique macio e bater no mixer.